Comportar-se como um animal ao volante é tão português como o fado e o chibanço. Ter ministros a 200 km/h na A1 sem pagar multa, comprar um Audi em 2ª mão, meter um aileron Matias na oficina do bairro e testar o bólide na ponte Vasco da Gama é português. E dizer mal dos outros também. E viva o blogue :)



sexta-feira, 2 de maio de 2008

Chiu, ninguém pode saber disto, mas é que eles andam por aí!



Estão a ver aquele anúncio do autocarro da selecção portuguesa, a ser movido por "energia positiva"? Não sei se gostam, mas a mim provoca-me vómitos. É espantoso a lata como uma empresa que está a bater recordes de lucros com o aumento desenfreado do preço dos combustíveis tem o descaramento de usar a Selecção Nacional para criar uma imagem de empatia, e de apelidar de "energia positiva" o chulanço que são os 14 aumentos de preço da gasolina desde o início do ano!!

Mas o que é assustador é que as pessoas não possuem muitas alternativas, não é? Quer dizer, as pessoas precisam de trabalhar, os transportes públicos não chegam para as encomendas, e em certas linhas como a de Sintra ainda podemos ser brindados com uma limpeza de bolsos. Não há alternativas, não há carros elétricos, pois não?

Claro que há! E já andam na Europa, e eu já vi com os meus olhinhos! Estive na Noruega em Dezembro de 2007, e vi vários destes carros desajeitados, mas que não faziam quase nenhum barulho, e que tinham uma data de luzes curiosas no tablier. São os Buddys, são carros elétricos e vendem-se na Noruega como pães quentes, pois são até os carros mais baratos!. E olhem que os noruegueses não são propriamente pessoas a ganhar salários mínimos; a diferença é que são pessoas com consciências bem mais evoluídas do que a esmagadora maioria dos governantes deste triste país!

Ah, são feios?! Estou-me a cagar se são feios! Se se vendessem em Portugal, já tinha comprado um, mesmo se fosse cor-de-rosa! É que isto de andar a encher os bolsos a cartéis que ainda por cima gozam connosco ao intitularem-nos de "energia positiva" dá logo a vontade de pedir a nacionalidade espanhola! Desculpem lá, isso de comprar produtos portugueses e tal eu alinho se forem morcelas e enchidos; agora gasolina, vão mas é pró caralho! E eu ando a GPL, mas olhem que já aumentou cerca de 15% num ano...

Porque é que não há carros eléctricos a vender em Portugal? E se eu quisesse importar um da Noruega, será que não me iriam colocar entraves? Lembram-se que a alfândega nem gosta de fritos, quanto mais de micro-ondas... se calhar, na lei portuguesa ainda encontram uma desculpa para este carro não poder circular cá, daquelas leis obsoletas ou homologações parvas que impedem por exemplo os carros GPL de estacionarem nos parques subterrâneos. Uhhhh o horror, o drama... um carro a GPL é logo sinónimo de um Artur Albarran a alçar a perna e a debruçar-se com um "imagens reais"!

Se na Noruega já se vendem, porque raios é que não há nada parecido em Portugal? Ah você não sabia que já havia carros eléctricos a andar na Europa? Não acha estranho que não se publique nada sobre esse facto? Para quando uma notícia num telejornal sobre este assunto importante para os portugueses, em vez do resumo alargado do Santa Clara - Trofense?! Se calhar há quem não quer que se saiba que já há alternativas que podem arruinar os milhões de lucros...

Adorava que um português decidisse comprar um destes carros e tentar circular com ele em Portugal. Daria uma história brutal. Alguém quer ser pioneiro?

15 comentários:

migas.x disse...

Em primeiro lugar, parabéns por este blog. Esperemos que qualquer dia, o nosso estimado governo, sempre a pensar no "bem maior", não se lembre de ilegalizar este tipo de blogs que consegue divulgar certas e determinadas conspirações do silêncio e outras similares. Mas o nosso governo até deve d pensar que os Noruegueses não percebem nada de finanças! Basta ver por este veículo. Não paga imposto de circulação algum, pode andar nas faixas de BUS que nenhum policia mais zeloso o pode multar, não paga parqueamento nas cidades(lá se vai o monopólio da EMEL), enfim, o carro é um pesadelo com rodas. E vê-se pelo nível de vida lá e cá que o nosso Min. das Finanças é que sabe fazer contas, não são os Noruegueses. Claro que por cá, isso nunca iria ser assim, mas basta não gastar gasolina para que seja um carro muito impopular. Até o TATA Nano teve mais publicidade do que este. Vivemos num país pequeno porque é do tamanho dos nossos governantes. Um abraço.

Luis Sardinha disse...

O facto deste carro andar no bus e n pagar parqueamento é claramente uma boa razão para ele comprarem este carro. As pessoas são conscienciosas mas o governo dá uma mãozona...

Eu não me importava nada de comprar um, o problema é que este carro não deve ser nada barato aos nossos olhos :( é que os carros lá são carissimos...

Alguém conhece um site (em Ingles) com as caracteristicas técnicas do carro?

Mig@s disse...

O PREÇO DA GASOLINA VOLTOU A SUBIR E JÁ SE CRIOU O IMPOSTO SOBRE O ÓLEO ALIMENTAR

Muitos Portugueses começaram a deslocar-se de Bicicleta para o trabalho, o governo já alertou, ou os Portugueses continuam a comprar gasolina ou vai ser obrigado a criar um imposto de 3 centimos por cada pedalada.
Para os que decidam ir a pé para o trabalho irá ser criado um imposto sobre o calçado e para aqueles que andem descalços pagam uma coima por lesarem o estado em impostos, as cadeiras de rodas tambem irão pagar imposto de circulação, quanto aos acamados pagarão apenas uma taxa simbolica de 20 euros ano.

...quando descobrirem um carro a àgua, sempre que chova somos obrigados a pagar a àgua que caíu nos metros quadrados que nos pertençam.

andre modesto disse...

conhecia outros electricos, electricos desportivos, mas de facto, nao sei porque nao se vendem...haverá algum representante ca?

NHEKNHEK disse...

Vi á dias o documentário "Quem matou o carro eléctrico" e lá explicam o porque dessa tecnologia "rudimentar e simples" não vingar... È que criar um carro eléctrico não é o problema eles existem e já existem há muitos anos!
Pesquisem no Google um carro da GM chamado Ev1, era totalmente eléctrico foram produzidos algumas centenas e foram "alugados " a titulo de testes a varias pessoas incluindo artistas como Mel Gibson...isto passou se na Califórnia á cerca de 10 anos.
O carro tinha autonomia superior a 100 km atingia velocidade máxima de cerca de 120 km!
Era perfeito... de u dia para o outro a Gm decidiu cancelar todos os contratos de aluguer e abater todos os veículos...hoje apenas existe 1 num museu de automóveis nos EUA mas a Gm fez questão de que fosse retirada todas as partes da tecnologia de locomoção eléctrica!

Os culpados:
Empresas petrolíferas!

Vejam o documentário! Recomendo vivamente!

Jota disse...

NHEKNHEK, boa noite.
Essa história dos carros electricos serem recolhidos pelos fabricantes por causa do petroleo está um pouco mal contada! Circulou por ai um mail a deitar abaixo as companhias, que ameaçaram de morte um tipo que, fazendo a busca no Google nem vem mencionada a sua cruzada contra os contructores, enfim... coisas de quem pouco ou nada tem que fazer!
O que acontece nestas situações é que as baterias não têm grande autonomia e com o constante carrega/descarrega, carrega com meia carga (comparemos a uma bateria de um telemóvel...) ao fim de uns meses fica "viciada" e perde a capacidade de carga que tinha no inicio. Recorde-se que falamos de baterias com 10 anos aproximadamente...
Ora bem! A substituição destas é bastante cara e não justificada pelo que a GM decidiu-se pela recolha das viaturas por razões comerciais (logo de inicio do conhecimento de quem os tinha por empréstimo)! Podemos igualmente ver esta situação com a Toyota que tinha um RAV 4 electrico.
Claro que é de todo o interesse das marcas automóveis, presentemente e para fins comerciais e publicitários, terem para venda carros electrios. O que não invalida a continuação de motores de combustão cada vez mais sofisticados e menos poluentes, se possivel a trabalharem em conjunto com motores electricos (Honda, Toyota,Lexus). No entanto este tipo de motores ainda está - infelizmente - a dar os primeiros passos.
Sabiam vocês que a FIAT, por exemplo, tinha um Multipla (tá bem que o bicho é feio!...) electrico em que poucas unidades - 2 ou 3 - foram importadas para Portugal? O problema nesta caso é apenas a total ausencia de uma rede de abastecimento electrica quer em Lisboa onde circulavam quer em Portugal!
Com este texto não estou a defender nem as gasolineiras nem os constructores, apenas quero dar-vos a conhecer que nem tudo o que se lê pode ser tido como certo e verdadeiro!
Um abraço e bom fim-de-semana.

Torre disse...

... E eu, como já tudo foi dito, só tenho a observar: Acho que esta foi a posta com mais asneiras desde o início do blog, ò P@V! A malta anda revoltada, e eu concordo, mas nunca vi tanta caralhice junta! :)

Senhor provedor, não se faz nada por isto!? ;D

Português ao volante disse...

Torre, é impossível tocar neste assunto sem ficar com a tensão alterada.

Nheknhek, essa história do EV1 já tinha dissecado em portuguesesaovolante.blogspot.com/2007/05/cof-cof-que-nojo-de-anncios-para-vender.html. O filme é realmente muito bom e mostra claramente que a Toyota não é o grande santinho que todos julgam com o Prius...

andré modesto disse...

"comparemos a uma bateria de um telemóvel..."
Nada a ver, as baterias não eram de lítio, nem nickel cádmio, nem de metal hidreto de níckel...talvez fossem de ácido, que como saberá porque deve ter uma no seu carro, não vicia.

"O problema nesta caso é apenas a total ausencia de uma rede de abastecimento electrica quer em Lisboa onde circulavam quer em Portugal!"
Eu tenho electricidade em casa, e pelo que vi, um carro com uma autonomia de 100 km chegava-me bem, isto porque não faço mais de 60 por dia, ora se o carro carregasse todas as noites...penso que era suficiente, não sei o que quis dizer com, ausência de rede de abastecimento eléctrica...a menos que esteja a pensar que esses carros são como os actuais a gasolina que é chegar, encher e pronto...

caditonuno disse...

olha que quando vierem pra cá o 1ºministro da altura vai inventar um novo tipo de imposto enao fica a máquina por menos de 10 ou 12 mil.

Anónimo disse...

Eu acho que convém salientar que Portugal obtém cerca de 85% da sua energia eléctrica de fontes não renováveis e que, consequentemente, esta "solução" acaba por contribuir muito mais negativamente no ambiente, por paradoxal que pareça. No entanto, isto advém do facto de que, até há bem pouco tempo, não havia legislação alguma sobre a produção de energia eléctrica a partir d outras fontes, tais como o uso de fornos solares e afins.

Já agora, para quem não gosta de monopólio, só há UM alvará de distribuição de energia eléctrica em Portugal.

serges disse...

Já há algum tempo que acompanho o blog, e adoro o teu trabalho, eu posso te dizer que não é preciso ires a Noruega para veres um Veiculo Eléctrico, tenho uma mota eléctrica que tenho muito orgulho em dizer que fiz 700km e se gastei 2€ em electricidade é muito! É certo que é mais cara que uma a combustão mas acaba por compensar pois ausencia de manutenção e estes custos! Palavras para quê!

Assim que chegarem, os 4 rodas, vou adquirir um mas até lá serve que nem uma luva!

Ricardo disse...

jota, em resposta a esta frase que escreveste: "Claro que é de todo o interesse das marcas automóveis, presentemente e para fins comerciais e publicitários, terem para venda carros eléctricos." Não é verdade que as construtoras de carros queiram investir em carros eléctricos! Um carro com motor de combustão precisa de muita manutenção ao longo da sua vida. Precisas de mudar óleos, filtros, velas, travões, correias de transmissão e todo um conjunto de peças que se gastam com o tempo. Um carro eléctrico não tem esse tipo de revisões e os travões duram mais porque os motores eléctricos têm um bom potencial para servirem como freios. Estas revisões que são necessárias representam muito dinheiro para os fabricantes de automóveis. Soma o dinheiro que gastas em revisões ao carro e verás que ao fim de uns anos pagas outro carro.
Quanto ao EV1 da GM o problema dele era usar baterias de ácido. Este tipo de baterias dura pouco. Se eles usassem baterias de lítio não teriam tantos problemas pois elas dão para uns 180 mil km antes de começaram a perder capacidade.
Quanto à produção de energia eléctrica ser proveniente de energias não renováveis é preferível que seja uma central a produzir energia pois é mais eficiente que milhões de carros de combustão a queimar combustíveis fósseis. Afinal de contas o motor de combustão nos carros tem apenas um rendimento de 30% no caso dos motores a diesel e menos de 25% nos motores a gasolina. A isto somem o rendimento de uma caixa de velocidades que anda à volta dos 80% e temos um rendimento global muito baixo. Um motor eléctrico tem um rendimento acima de 85% e não é necessário embraiagem nem caixa de velocidades.

McBrain disse...

Ao contrário do que algumas pessoas disseram nos comentários, gostei da posta.

Acho que se não há mais alternativas a nível de veículos eléctricos, tal deve-se À falta de I&D da indústria automóvel, coadjuvada, claro, com as empresas petrolíferas.

Como diriam os espanhóis.... "No me jodan!" :-D

Filipe disse...

estão dois deles na FIL em lisboa na feira de inovação (portugal tecnologico)



o socrates e o manuel (es)pinho ja os andaram a experimentar:

http://www.readmetro.com/show/en/Lisbon/20081119/1/2/


who's online
eXTReMe Tracker
THE BOBs
Humor blogs
Top Blogs
BloGalaxia
Coches ES

MyFavatar