Comportar-se como um animal ao volante é tão português como o fado e o chibanço. Ter ministros a 200 km/h na A1 sem pagar multa, comprar um Audi em 2ª mão, meter um aileron Matias na oficina do bairro e testar o bólide na ponte Vasco da Gama é português. E dizer mal dos outros também. E viva o blogue :)



quarta-feira, 10 de janeiro de 2007

O reconhecimento ibérico...

Espanha
ChemaLiso, um camarada blogista espanhol, tem um post fantástico sobre ã sua experiência com portugueses ao volante, intitulado Portugueses al volante (um título muito original), e que comprova o reconhecimento internacional, e talvez, ibério, das artes rodoviárias lusitanas. Tal e qual como a famosa (e tristemente defunta) página do Desenrascanço na Wikipédia atesta a nossa capacidade ímpar de improviso.
Aqui vai uma traduçãozita do que ele diz no seu blogue, chemaeldragon.extreblog.com:

"Os portugueses ao volante são um perigo constante. Andam a mais de 180 km/h, olhas para trás numa grande recta e não vês nada, e em pouco tempo passa-te um como um suspiro. Depois há os que se colam atrás como uma lapa porque pensam que assim a resistência do ar é menor e, à tua custa, poupam. Bem, isto também muitos espanhóis o fazem, embora o motivo seja evitar serem multados. Acreditam que, se vais muito rápido e colado ao outro carro, multarão o primeiro, quando na realidade multam os dois, e adicionalmente proporcionam uma condução temerária."

Bem, a caracterização do condutor português está lá, sim senhora. Constata-se que o amigo espanhol também ainda não sabe o verdadeiro motivo porque os portugueses conduzem a centímetros do carro da frente: estão a treinar-se para, no final de uma portagem, colarem-se a um camião na Via Verde, para que a caixinha não debite e a câmara não consiga fotografar a matrícula. Como em Espanha não há tanta portagem como há cá, eu perdoo-lhe.

"Hoje, na minha condução diária desde Badajoz a Mérida, quando ainda não amanheceu, chego ao pé de um português que levava um TomTom Navigator. Reparo que leva os faróis no limite do correcto e do incorrecto. Explico-me: se vais de viagem e levas a mala cheia até acima, o normal é que pese um pouco mais na parte traseira do carro, o que faz com que a parte dianteira suba um pouco, o suficiente para que os médios se convertam em máximos. Pois assim ia contente o português, incomodando com as suas luzinhas todo aquele que se punha à frente dele. Mas não contente com isso, um par de km à frente, decide ultrapassar-me usando a técnica de pegar-se no meu cú para sair disparado, algo muito temerário porque se eu quisesse travar, não daria tempo para ele reagir.


O português é um ás no que toca a utilizar um GPS. Em especial nas autovias espanholas, tão mal sinalizadas e com raríssimas indicações, onde tal aparelho é vital. Mas sou capaz de apostar que o manual de instruções ainda deve estar embalado em celofane, no porta-luvas, tal como veio de fábrica.
Caro amigo ChemaLiso, calma, uma coisa de cada vez. Primeiro, ainda é necessário ensinar muitos portugueses a usar o pisca-pisca, e explicar que não é um acessório para usar no Natal. Depois é que podemos passar para um nível mais avançado, como é a regulação da altura dos médios.

"Os portugueses têm fama de conduzir muito mal. A mim demonstram-me diariamente e estamos em território espanhol. Nem quero imaginar como será conduzir por território português.

Dá para escrever um blogue, caro amigo! :)

2 comentários:

ChemaLiso disse...

Hola, ante todo un cordial saludo a mis vecinos portugueses. Me ha hecho mucha ilusión que desde allí se hayan percatado del post de mi blog.

Quisiera matizar que es evidente que nadie respeta siempre las normas de circulación al cien por cien y que siempre habrá conductores temerarios aquí o allá, españoles, portugueses o de cualquier país.

Lo que puse en mi blog hace eco de una experiencia personal, no quisiera que se sacara de contexto ni que se generalizara de ningún modo. Muchas de las cosas que critico de los conductores portugueses son realizadas también por conductores españoles.

En el sentido de la correcta utilización de todos los dispositivos que conforman un automóvil, ya sea la regulación de los faros, las luces antiniebla o incluso el manejo del TomTom Navigator, decir tan sólo que sí es necesario que el usuario los tenga presentes en todo momento. Si bien es cierto es una tarea complicada para muchos que sólo se preocupan de sujetar el volante y pisar los pedales, existen otros que sí tratan de tenerlo todo bajo control, sin apartar eso sí, los ojos de la carretera.

Hay una cosa que no me queda clara, no sé si porque no entiendo bien el portugués o simplemente porque me choca. Se trata de lo que dijiste sobre que los portugueses sois un "as" en el manejo del TomTom Navigator en las autovías españolas porque en éstas la señalización es muy mala. Esto es lo que he entendido que has dicho. Yo he tenido ocasión de conducir por carreteras de montaña suizas y gracias al TomTom Navigator conocía cómo eran de severas las curvas antes de tomarlas, si se abrían mucho o si por el contrario eran muy cerradas. El TomTom ayuda, sí, pero sólo si vas a una velocidad por encima de la permitida. De igual modo, si conduces por una autovía española a más de 180 km/h sí veo necesario el uso del TomTom Navigator porque a esas velocidades da la sensación de que la carretera se te hace más estrecha y que las curvas son más cerradas. A todo esto, he de suponer que estamos hablando de imprudencias que en ningún caso se deberían realizar.

Las carreteras españolas son, en mi opinión, de las peores de Europa y muchos de los accidentes que ocurren en nuestro país se deben a señalizaciones incorrectas o tramos deteriorados, mal peraltados o mal asfaltados, aunque luego en las noticias sólo hacen referencia a fallos humanos, lo cual me parece vergonzoso.

Por último, me ha parecido muy gracioso que asumas la temeridad de los conductores portugueses, justificando el hecho de que conduzcáis tan pegados con la explicación de las vías rápidas y los camiones. Es decir, no sé si te tomas a guasa el hecho de saber que sois temerarios, sino que además parece como si promulgaras tales acciones, en lugar de intentar corregirlas.

El automóvil es sólo un medio de transporte. No hay que convertirlo en un arma para matar, por causas imprudentes claro.

Un saludo.

mig disse...

A mim,que matam o mestre de aviz! Como se atrevem esses castelhanos malditos a criticar os melhores condutores,amantes,espertos,trabalhadores e patrioteiros do mundo? Sacrilégio!!!!


who's online
eXTReMe Tracker
THE BOBs
Humor blogs
Top Blogs
BloGalaxia
Coches ES

MyFavatar